Logon

A avaliação na PUC Minas

A avaliação na PUC Minas tem como objetivo o desenvolvimento de autoconhecimento da Instituição para a definição de estratégias, políticas e planos institucionais em diversos níveis, como o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e o Planejamento Estratégico da Universidade. A Comissão Própria de Avaliação (CPA) desenvolve diferentes frentes de trabalho, com vistas a alcançar esses objetivos. A ela compete formular e propor políticas e diretrizes para a Autoavaliação Institucional, nos termos da legislação vigente, sob a aprovação do Conselho Universitário.

Os processos avaliativos, no âmbito da PUC Minas, têm como diretriz a participação de toda comunidade acadêmica, já que se acredita que o processo será mais proveitoso quanto maior forem a participação e o envolvimento de todos. Em um primeiro momento os envolvidos são convidados a participar do processo de construção dos instrumentos, através de consultas públicas sobre os questionários a serem utilizados. Em um segundo momento devem responder aos questionários ou, no caso dos setores da instituição, a roteiros específicos. Fechando o ciclo, a CPA promove a socialização dos resultados e o compartilhamento das experiências entre os vários setores da Universidade.

Esta sistemática e dinâmica de trabalho são aplicadas às diferentes frentes de atuação da CPA em parceria com diferentes setores da Universidade, em especial com a Gerência de Tecnologia da Informação e com a Secretaria de Comunicação. Em razão disso, compete à CPA formular e propor políticas e diretrizes para os processos de avaliação da instituição, nos termos da legislação vigente, sob a aprovação do Conselho Universitário.

Importante mencionar que em observância às mudanças nos instrumentos de avaliação, bem como no contexto em que a Universidade está inserida, a CPA mantém-se atenta e vigilante, propondo constantes ajustes nos questionários utilizados, de modo a favorecer um processo de avaliação que faça frente e jus às demandas atuais, dinâmicas e emergentes que podem se apresentar no cenário institucional. Reitera-se, com isso, o compromisso desta comissão de produzir dados contextualizados e compatíveis com os diferentes momentos vividos pela Universidade.

Além da Autoavaliação Institucional, também compete à CPA, desde 2011, a condução do processo de avaliação docente, tal como prevê o Estatuto da Universidade e o Estatuto da Carreira Docente. Em 2018, foi atribuída ao setor a Avaliação dos Programas de Pós-Graduação stricto Sensu e, a partir de 2021, a avaliação dos tutores dos cursos e disciplinas oferecidos na modalidade a distância.

Outra importante ação da CPA é sua parceria com os órgãos e setores responsáveis pelo PDI da Universidade. Desde 2006, a construção do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) tem como um dos seus norteadores os Relatórios de Autoavaliação Institucional. O PDI 2022-2026, tomou como referências o Relatório de Autoavaliação Institucional (2018-2020). Assim, a definição das metas e ações da PUC Minas baseia-se, entre outras coisas, em diagnóstico aprofundado, resultando em indicadores e informações que subsidiam o traçar de novos caminhos e ações, necessárias ao aprimoramento do trabalho e ao aperfeiçoamento das metas delineadas pela e para a Universidade.

Para viabilizar os processos avaliativos na Universidade, a CPA atua para atender aos seguintes objetivos:

  • Buscar o envolvimento de todos na Avaliação – alunos, professores, funcionários, gestores e egressos;
  • Analisar e propor temáticas de intervenção e políticas institucionais;
  • Analisar os processos que ocorrem no interior da PUC Minas e que envolvem o ensino, a pesquisa e a extensão;
  • Aferir a qualidade das ações desenvolvidas na PUC Minas, tendo em vista os objetivos colocados pela própria Instituição;
  • Recomendar, quando necessário, mudanças no planejamento e práticas da instituição.

A Comissão Permanente de Avaliação está vinculada à Pró-Reitoria de Graduação.

1. Composição da CPA

A CPA é composta por representantes dos corpos docente, discente, técnico-administrativo e por um representante da sociedade civil. Além destes, a CPA conta com equipe composta por professores ad-hocs e funcionários.

2. A sensibilização da comunidade acadêmica e a divulgação dos resultados

Os principais canais de comunicação utilizados pela CPA para informar e mobilizar a comunidade acadêmica são envio de e-mails, mensagens por WhatsApp, informativos produzidos pela Secretaria de Comunicação e sistemas SGA, CANVAS e PUC Móbile.

Professores e coordenadores dos cursos de graduação e dos Programas de Pós-graduação stricto sensu têm acesso aos resultados pelo Sistema de Gestão Acadêmica (SGA), com a orientação que os colegiados socializem esses resultados com os alunos.

Para acesso aos relatórios, o professor deve procurar pelo menu CPA que redireciona para a página oficial da CPA, aos questionários e aos relatórios com os resultados.

img-avaliacao.png

img-avaliacao2.png


img-avaliacao3.png

3. Processos avaliativos conduzidos pela CPA

Para a manutenção de uma Instituição de excelência e em busca contínua pela qualidade de suas ações, a CPA dedica-se ao refinamento de diferentes processos de avaliação, de acordo com suas atribuições: i) avaliação institucional, ii) avaliação docente e iii) avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu, iv) avaliação dos tutores do ensino à distância, que são apresentados a seguir.

3.1. Autoavaliação institucional

A autoavaliação é uma atividade que envolve toda a Universidade e todos os seus segmentos. Seus resultados são fruto de um processo de pesquisa e coleta de dados e informações, realizado através de consulta a documentos institucionais, questionários respondidos por discentes, egressos, docentes e funcionários do corpo técnico-administrativo, entrevistas ou roteiros preenchidos pelos responsáveis por diferentes setores estratégicos da PUC Minas.

A autoavaliação institucional compreende os cinco eixos propostos pelo Sinaes e suas respectivas dimensões: Planejamento e Avaliação Institucional, Desenvolvimento Institucional, Políticas Acadêmicas, Políticas de Gestão e Infraestrutura. Conforme os eixos abordados em cada um dos relatórios parciais produzidos no triênio, a CPA organiza um cronograma para a coleta de dados, incluindo diferentes públicos e setores. Ressalta-se a importância da participação e envolvimento de todos dos integrantes da Instituição para a construção do conhecimento gerado pelos processos avaliativos.

Outra ação decorrente dos resultados da autoavaliação institucional como um todo, e especialmente da avaliação no nível de cada curso, é a recomendação da CPA para que cada curso se aproprie e promova discussões contínuas desses resultados. Nos cursos que se preparam para as visitas in loco, realizadas pelo MEC, a CPA realiza discussões mais estreitas com os Coordenadores e com o Núcleo Docente Estruturante (NDE), contribuindo para o monitoramento dos procedimentos acadêmicos, administrativos, de gestão e para a tomada de decisões quanto à implementação dos projetos pedagógicos.

A análise apresentada nos relatórios visa a uma melhor compreensão da realidade institucional e busca averiguar as percepções dos diferentes atores sobre os vários aspectos da vida institucional, considerando a evolução e o desempenho das estruturas institucionais, em consonância com o estabelecido no PDI da PUC Minas. Busca-se, também, destacar as potencialidades antevistas e ainda não assumidas pela IES, o que possibilita que a autoavaliação seja utilizada como instrumento de gestão institucional.

3.2. Avaliação docente

Outro eixo avaliativo, sob a responsabilidade da CPA, é a avaliação dos docentes da PUC Minas. Esta avaliação atende à determinação do Estatuto da Universidade (2010), de acordo com o artigo 46 e do Estatuto da Carreira Docente (2012), conforme seu artigo 32, que prevê a utilização dos resultados dessa avaliação para análise do desempenho funcional e acadêmico dos professores. Cumpre registrar, igualmente, que a avaliação dos docentes em atividades de coordenação atende ao disposto pelos instrumentos de avaliação de cursos de graduação e a distância do INEP, os quais estabelecem os critérios para avaliação da atuação do coordenador quando da visita in loco.

Desse modo, cabe à CPA promover a avaliação das atividades desenvolvidas pelos professores: i) aulas na graduação (presencial e virtual), ii) atuação do coordenador de curso e iii) atuação do membro de colegiado. Este processo formaliza a percepção que os alunos e o colegiado têm sobre a atuação dos docentes da Universidade, bem como a percepção dos alunos e professores sobre a atuação do coordenador e do membro de colegiado, referente ao semestre em curso. Ademais, serve de subsídio para as políticas de RH, para os diagnósticos nos cursos, para a autoavaliação e para o desenvolvimento dos professores.

Para a condução dessa avaliação é disponibilizado um questionário, nos diferentes sistemas da Universidade, semestralmente, que deve ser respondido por todos os professores (autoavaliação); pelos alunos, referente à atuação do professor (por disciplina presencial e/ou virtual); e pelo colegiado do curso (por curso em que o professor leciona), no que diz respeito à prática do professor em atividades da graduação e ao seu comprometimento com o curso.

No segundo semestre do ano, adicionalmente à avaliação dos docentes, ocorre a avaliação dos coordenadores de curso e membros de colegiado, que fazem sua autoavaliação e são avaliados por alunos e professores do curso.

Os dados da avaliação docente são processados e apresentados por meio de relatórios estatísticos, individualizados por docente e agregados por Curso, Departamento, Instituto, Unidade Acadêmica e Universidade. Cada professor tem acesso ao seu relatório individual e ao relatório agregado do(s) curso(s) em que lecionou no semestre em que foi conduzida a avaliação, um comparativo com a avaliação geral dos professores de outros cursos de seu departamento e da PUC Minas como um todo, no Portal de Acesso Restrito, no site da PUC Minas. Além do próprio professor, outras instâncias de gestão da Universidade têm acesso aos resultados da avaliação docente: diretor(a) de Instituto ou Faculdade; diretor(a) acadêmico(a) das Unidades Educacionais da PUC Minas, chefe de Departamento e coordenador(a) de curso. Para os alunos, cabe aos colegiados dos cursos fazer uma devolução quanto aos resultados da avaliação dos professores do curso. A forma e a periodicidade dessa devolutiva também são de responsabilidade dos colegiados, podendo a CPA oferecer sugestões ou orientações quanto à sua divulgação. A análise dos resultados produzidos pela avaliação docente cabe às Câmaras Departamentais e aos Institutos e Faculdades, uma vez que há especificidades que apenas a área é capaz de considerar. À CPA compete subsidiar tais setores e órgãos com os resultados, mas não é de sua responsabilidade a tomada de quaisquer decisões relativas a eles.

3.3. Avaliação de tutores

A partir do segundo semestre de 2021, adotando dinâmica similar à da avaliação docente, a CPA assumiu a condução da avaliação dos tutores de disciplinas ministradas na modalidade a distância. A tutoria é composta por uma equipe de profissionais que oferecem, por meio do ambiente virtual de aprendizagem (AVA), o suporte às atividades dos docentes, além de acompanhar e orientar os alunos durante o seu percurso acadêmico. O tutor cumpre o papel de mediador, interagindo com o corpo discente, os docentes e com a equipe multidisciplinar, visando proporcionar condições cada vez melhores para o aprendizado dentro do ambiente virtual. Com o aumento da oferta de cursos de graduação e tecnológicos na modalidade virtual, bem como de disciplinas virtuais e semipresenciais, a demanda de trabalho desempenhado por tutores aumentou na Universidade. Em razão disso, a avaliação do corpo de tutores tornou-se necessária e, fazê-la também atende ao disposto pelos instrumentos de avaliação de cursos de graduação e a distância do INEP.

Os resultados são divulgados também no SGA dos professores, coordenadores de curso e coordenação de tutoria da PUC Virtual. A recomendação da divulgação aos alunos é a mesma, através do colegiado do curso.

3.4. Avaliação dos programas de pós-graduação stricto sensu

A avaliação dos Programas de pós-graduação stricto sensu é outro eixo de atuação da CPA. Ela tem duas frentes, sendo uma com a intenção de oportunizar uma avaliação mais ampla sobre os programas, e outra semestral, para identificação de aspectos mais pontuais da condução das aulas e atividades do programa.

Com relação à primeira, os alunos respondem a um questionário disponibilizado nos sistemas da Universidade, após a defesa de sua dissertação ou tese, como parte da documentação de finalização do mestrado e/ou doutorado. Já com relação à segunda avaliação, respondida pelos alunos semestralmente, estão inclusos aspectos relacionados ao programa e à forma de condução das aulas. Da mesma forma que as outras avaliações, os questionários ficam disponíveis nos sistemas eletrônicos da Instituição.

Os professores vinculados aos programas de pós-graduação stricto sensu também participam das avaliações, respondendo, igualmente, a dois questionários: 1) sobre o programa, a coordenação do programa, o atendimento da secretaria e sua autoavaliação com relação à orientação dada aos alunos, sendo esta avaliação anual; 2) sobre questões atinentes à condução das disciplinas e atividades do semestre, sendo, portanto, semestral.

Os resultados destas avaliações são organizados em relatórios para cada Programa, que são disponibilizados aos professores no SGA. Da mesma forma que na graduação, fica a cargo do colegiado discutir os resultados junto aos alunos. Os processos avaliativos contribuem para a implementação de melhorias nos Programas de Pós-Graduação e também cumprem parte dos requisitos da Avaliação Quadrienal da CAPES.

4. Participação da CPA nas visitas in loco aos Cursos

Durante a conversa que acontece entre a Comissão do MEC e a CPA, os membros da CPA são indagados sobre as taxas de participação dos alunos e professores e como os cursos têm se apropriado dos resultados das avaliações.

Para isso, a CPA monitora os seguintes procedimentos:

  • Sensibilização dos alunos com relação à importância das avaliações da CPA com o objetivo de aumentar os percentuais de participação;
  • Apropriação dos resultados das avaliações pela coordenação e NDE;
  • Divulgação dos resultados aos alunos;
  • Discussões dos resultados com os professores;
  • Mudanças na gestão e na implementação dos projetos pedagógicos do curso, em decorrência dos processos avaliativos.

Nos cursos que se preparam para as visitas in loco, realizadas pelo MEC, essas discussões acontecem de forma mais estreita com os coordenadores e com o Núcleo Docente Estruturante (NDE) e às vezes, com todo o corpo docente.