Logon

 03/05/2024 11:00

O Professor Miguel Ângelo Andrade, docente do Curso de Ciências Biológicas, coordenou, juntamente com a Unesco Brasil e coordenadores das sete Reservas da Biosfera brasileiras, o 2° Encontro de Integração da Rede de Reservas da Biosfera do Brasil (RBRB). A reunião aconteceu entre os dias 23 e 25 de abril na Vila de São Jorge, na Chapada dos Veadeiros.

Durante o encontro, foi elaborada a Carta de São Jorge: A caminho de 2030: uma jornada de mobilização, parcerias e realizações. O documento tem como objetivo convocar parceiros para o diálogo e ações concretas, por meio de investimento em projetos sustentáveis. O plano de ação elaborado estabelece objetivos para cinco eixos temáticos, sendo: Gestão, Governança e Fortalecimento Institucional; Educação para Sustentabilidade; Cooperação Internacional; Sustentabilidade Financeira; e Comunicação.

A carta também aponta que os temas mais urgentes são a conservação e desenvolvimento sustentável; governança participativa - incluindo grupos minoritários, povos originários e comunidades tradicionais; gestão integrada de territórios com diferentes escalas e integração de políticas públicas com programas de sustentabilidade.

Miguel Ângelo Andrade é coordenador da Rede Brasileira de Reservas da Biosfera desde agosto de 2023, e da Reserva da Biosfera da Serra do Espinhaço, que participa desde 2005 quando iniciou-se o processo de reconhecimento do território junto à Unesco e se tem a Reserva da Biosfera em sua segunda fase, abrangendo 172 municípios em Minas Gerais, até a divisa com o estado baiano.

A Reserva da Serra do Espinhaço integra o programa O Homem e a Biosfera (MAB), criado em 1971 com o objetivo de desenvolver uma base científica sólida para orientar diálogos locais e auxiliar na tomada de decisão, considerando a melhoria nas condições de vida e o uso sustentável dos recursos naturais. Atualmente, o MAB possui 748 Reservas da Biosfera em sua rede global, sendo sete no Brasil: Amazônia Central, Caatinga, Cerrado, Cinturão Verde de São Paulo, Mata Atlântica, Pantanal e Serra do Espinhaço.

As Reservas da Biosfera são territórios especiais, reconhecidos internacionalmente pela Unesco pelo valor ecológico, econômico e social, sendo designadas para a aliar a conservação ambiental e o desenvolvimento humano sustentável.

"Cumprimos e ampliamos o grande objetivo deste evento, que foi 'promover a integração e fortalecimento da Rede Brasileira de Reservas da Biosfera", afirmou o professor, que também é assessor de extensão do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da PUC Minas e coordenador da Agência de Desenvolvimento Integrado (Aderi).

Também sobre o encontro, Miguel conta que foram apresentados e validados o Plano de Ação da RBRB (2024-2025), o Regimento Interno da RBRB, a discussão sobre a retomada da Comissão Brasileira do Programa Homem e Biosfera (COBRAMAB), intercâmbios e a reflexão e discussão de elementos chave sobre os propósitos das RB no Brasil, suas formas de comunicação e a promoção destes valiosos territórios mundiais, que serviram como base da construção de uma narrativa comum para promoção e valorização das Reservas da Biosfera no Brasil. 


Leia também