Logon

04/03/2022 12:00

No dia 9 de março, a Pró-Reitoria de Pesquisa e de Pós-graduação (ProPPG) irá premiar, às 9h30, os melhores projetos de iniciação científica apresentados no 29º Seminário de Iniciação Científica, que ocorreu em outubro do ano passado. O evento será presencial e acontecerá no auditório do prédio de Arquitetura e Urbanismo, prédio 47, Campus Coração Eucarístico.

"Você pode entrar e nadar no raso, mas pode mergulhar e ter outros sentidos para além do que está sendo oferecido em sala de aula", compara o pró-reitor de Pesquisa e de Pós-graduação da PUC Minas, professor Sérgio de Morais Hanriot, em referência às oportunidades de aprofundamento do conhecimento que são oferecidas aos estudantes universitários. "O aluno que fez pesquisa teve contato com outras realidades, mergulhou mais", defende o pró-reitor, lembrando que a oportunidade de se fazer investigação científica é  oferecida, na Universidade, desde os primeiros períodos. "A vocação para a pesquisa pode ser construída, o que se percebe nessas pessoas é que são inquietas e sempre procuram respostas a uma determinada pergunta", observa.

Para Mariana Elis Campos Gomes, que desenvolveu melhor pesquisa na área de Ciências Sociais Aplicadas, "a importância da iniciação científica encontra-se no 'pensar fora da caixa'". Intitulada Violência Doméstica e Familiar no Brasil à Luz do Sistema Interamericano de Direitos Humanos: uma análise para além do caso 12.051 Maria da Penha Maia Fernandes , sua pesquisa foi orientada pela professora do Curso de Direito Cinthia Garabini Lages.  "Desenvolver uma pesquisa possibilita entrar em contato com diversas temáticas que, muitas vezes, são pouco abordadas nesse primeiro momento de formação profissional", diz Mariana, que complementa: "Fazer pesquisa permite que o aluno se aproxime da sua área de interesse, aquela que pode vir a ser o seu campo de atuação no futuro".

A estudante acredita que a pesquisa ajudará na sua profissão: "Foi durante o desenvolvimento do meu projeto que me encontrei no meu curso e me aproximei de uma área de trabalho que me interessa muito: a defesa dos Direitos Humanos. Para o futuro, acredito que ter desenvolvido um trabalho científico durante a graduação me abrirá portas para o mercado de trabalho, por ser um verdadeiro diferencial".

Mariana também aconselha aqueles que desejam fazer pesquisa a aproveitar as oportunidades oferecidas pela Universidade para submissão de projetos.  "Encontre uma área e um tema de que você goste, pense em um problema sobre essa temática e convide um professor para embarcar nessa aventura com você. Dê uma oportunidade para a iniciação científica, ela não é apenas para quem quer seguir na academia, dando aulas! Tenho certeza de que não haverá arrependimento", ensina.

Já na área de Ciências da Saúde, Larissa Shirley Gomes Lima, estudante do Curso de Enfermagem, orientada pela professora Juliana Ladeira Garbaccio, desenvolveu a pesquisa Caracterização Morfológica e Genotípica de Bactérias Multirresistentes isoladas de Pacientes Idosos Hospitalizados. O estudo, premiado, teve como base a resistência microbiana, especificamente as infecções causadas por bactérias multirresistentes aos antibióticos, em idosos internados em uma Unidade de Terapia Intensiva. O objetivo foi identificar os tipos microbianos em três sítios anatômicos diferentes dos idosos participantes, acompanhar o período de colonização/infecção e se mesmo após a alta hospitalar tais micro-organismos poderiam ser identificados.

"Para todos os pacientes verificou-se colonização por mais de uma espécie bacteriana do tipo multirresistente. Após a alta hospitalar o decaimento microbiano é maior com a não identificação das bactérias resistentes que carregavam durante a permanência no ambiente hospitalar, a partir de 30 dias após alta", concluiu o estudo.

Para Larissa, a Iniciação Científica vai muito além de uma oportunidade para conseguir uma carga horária complementar de graduação. "Ela é muito relevante, de suma importância por contribuir com produções científicas, sobretudo para a Enfermagem brasileira. Além do mais, possibilita a criação de networking com profissionais e discentes de outras áreas, bem como desenvolver as soft skills tão exigidas no mercado de trabalho hoje em dia. Para nós discentes, realizar uma iniciação científica durante a graduação abre portas tanto para o mercado de trabalho por ser um diferencial, quanto para oportunidades de ingressar em grupos de pesquisa. Desta forma, fazer pesquisa vai muito além de realizar experimentos e testar hipóteses, mas é uma oportunidade extracurricular de se desenvolver enquanto futuro profissional e buscar sempre a melhor terapêutica para os seus pacientes ao contribuir com produções e divulgação científica da ciência que é feita aqui no Brasil".

A aluna também incentiva todos a fazerem pesquisa. "A gente cresce como futuro profissional, mas principalmente como pessoa durante a realização da pesquisa, pois desenvolvemos a maturidade necessária para um raciocínio crítico, científico e holístico dos pacientes. É uma ótima oportunidade para desenvolver competências como trabalho em equipe, sobretudo equipe multiprofissional, tão necessária na prática de trabalho do enfermeiro e de tantas outras profissões", diz. "A pesquisa te abre portas incríveis, pois desperta a curiosidade e questionamento que, talvez antes dela, você nunca havia parado para analisar, além de possibilitar oportunidades de participação de escrita de trabalhos como artigos e resumos, viagens para congressos nacionais e internacionais, premiações, diálogo, realizações de práticas laboratoriais com as quais  talvez durante a grade curricular da graduação você não teve o contato".

 

Discos adesivos de anfíbios

 

Clarissa Souza conta que durante toda a iniciação científica trabalhou com discos adesivos de anfíbios. Esse estudo resultou no trabalho de conclusão de curso (TCC) intitulado Ecomorfologia dos Discos Adesivos de Pererecas. O trabalho foi orientado pela professora Luciana Barreto Nascimento e coorientado pelo professor Julian Karl Andre Langowski. Nele realizou-se uma descrição morfológica dos discos de oito espécies de pererecas neotropicais. Além disso, também tentou-se entender se a morfologia desses discos estava relacionada com o local em que essas pererecas habitam (os chamados microhabitats). "Utilizamos das microscopias óptica e eletrônica de varredura para descrição de micro e nanoestruturas, fotografias para descrição da área e forma dos discos e pesquisa bibliográfica para definição dos microhabitats de cada espécie. Como resultado, encontramos uma possível relação entre tamanho dos discos adesivos, peso dos animais e o microhabitat arbóreo. Nossas espécies com maiores pesos possuíram os maiores discos e são descritas como arbóreas. Esses resultados são interessantes para o entendimento da evolução dos discos adesivos e sua relação com o surgimento do modo de vida arbóreo pelas pererecas", conta a estudante do Curso de Ciências Biológicas, que teve premiado o trabalho na área de Ciências Biológicas e Agrárias.

Clarissa entende que a iniciação científica possui extrema importância em um ambiente acadêmico. Além dos inúmeros benefícios pessoais e profissionais, o contato com a pesquisa faz com que o aluno crie um vínculo afetivo e compreenda sua importância como um todo. "Com o atual momento de negacionismo em nível mundial, ter experiência com uma Iniciação Científica representa uma ótima oportunidade de vivenciar o método científico na prática. Isso auxiliará no desenvolvimento do senso crítico do aluno para desafios profissionais e até mesmo em ambientes informais vistos diariamente, como as redes sociais". 

De acordo com ela, entender o funcionamento da metodologia científica foi muito importante e a ajudou a desenvolver habilidades que usa diariamente na profissão. "Entre essas habilidades cito o desenvolvimento do meu senso crítico para entendimento e utilização de bibliografias confiáveis e atualizadas, aperfeiçoamento da minha comunicação oral e escrita, capacidade de trabalho em equipe, organização e liderança em projetos", frisa.

Rafael Amauri Diniz Augusto, autor da pesquisa Previsão da Irradiação Solar utilizando Análise de Imagens, melhor trabalho da área de Ciências Exatas e da Terra, conta que a motivação para a pesquisa surgiu por uma vontade de promover e estudar alternativas mais eficientes, ecológicas e baratas aos combustíveis fósseis, que têm se provado ser insuficientes para suprir a demanda brasileira por energia. "O objetivo da nossa pesquisa é utilizar machine learning e dados coletados diretamente do Instituto Nacional de Meteorologia para prever a irradiação solar futura em uma determinada área", explica o aluno, cujo estudo foi orientado pela professora Cristiana Brasil Maia e coorientado pelo professor Silvio Jamil Ferzoli Guimarães. "Essa previsão é feita obtendo dados da insolação de uma área e passando estes dados para um modelo de análise por séries temporais. Por meio de inferências, pesos e séries temporais, esse modelo consegue prever confiavelmente a irradiação solar para o ano seguinte", explica. Algumas aplicações dessa pesquisa são o uso dela como referência para provedores de energia, como a Cemig, a previsão de coletas em uma safra a partir de quanto sol a área de plantação espera receber, ou até mesmo consulta por pessoas interessadas em instalar painéis solares em suas casas. "Muito do meu interesse em fazer pesquisa e Iniciação Científica vem da vontade de aplicar o conhecimento que o curso de Ciência da Computação proporciona, assim como aprender novos assuntos. Para fazer a pesquisa eu tive que aprender conteúdos que não são necessariamente ensinados no curso, e eu sinto que isso me enriqueceu muito como aluno. Ter a oportunidade de aprender sobre novos tópicos, poder aplicá-los em um projeto prático e crescer como profissional é uma oportunidade única, e eu acredito que todos alunos deveriam experimentá-la", aconselha.

"Outro ponto muito forte da pesquisa que é pouco mencionado é o networking. Nesse um ano que estou no laboratório de pesquisa eu conheci professores, mestrandos e doutorandos, e poder me conectar a essas pessoas é um passo muito importante na minha carreira. Eu particularmente tenho interesse em fazer um mestrado após a graduação, e ter essas pessoas já experientes me guiando e me auxiliando no decorrer de um mestrado é mais uma das várias formas de crescimento que uma pesquisa pode proporcionar".

 

Rafael acredita que, "antes de tudo, acho também importante esclarecer que fazer uma Iniciação Científica é muito mais acessível do que parece ser. A proposta da Iniciação Científica é justamente aprofundar o aluno na área acadêmica e colocar professores com bastante experiência para guiar e apoiá-lo, e isso faz ser bem acessível para todos. Ter a iniciativa de procurar professores ligados à pesquisa acadêmica para que ele possa te orientar a escolher uma pesquisa na qual você tenha um interesse especial também é muito importante, para que você possa justamente aprender sobre assuntos que te interessam bastante. Outro conselho que posso passar para quem tem interesse nessa área é não ter medo de entrar por se sentir incapaz de participar em uma pesquisa – os professores da PUC estão lá justamente para apoiar e guiar os alunos de IC, então não tenha medo de se aventurar nessa área".

 

A aluna Clarissa Souza dá  três dicas para quem quer fazer pesquisa 

1.Antes de decidir fazer uma iniciação científica, leia bastante e tente entender a área com a qual mais se identifica e que realmente gostaria de trabalhar. Sua pesquisa demandará muito trabalho e dedicação, estar em uma área que não se identifica contribuirá para que você desanime e não queira seguir em frente.

2.Quando for escolher um orientador, pesquise muito sobre ele e os trabalhos que desenvolveu/desenvolve. Leia seu lattes e, se possível, converse com alguém que já tenha trabalhado com ele. Veja se o tipo de trabalho que ele desenvolve se adequa ao que você gostaria de trabalhar. Seu orientador será seu chefe e te ajudará em tudo o que precisa. Uma boa relação é essencial para boas tomadas de decisão e apoio durante todo o desenvolvimento do seu projeto de pesquisa.

3. Aprenda a voar sozinho! Desenvolver um projeto de pesquisa é uma ótima oportunidade para se autodesenvolver. Ao longo de sua IC você terá muitas responsabilidades e problemáticas, sendo que em muitas delas não existirá ninguém para te indicar uma solução. Dessa forma, aprenda a correr atrás e buscar por si só as respostas. Para isso, também é essencial que desenvolva organização e saiba definir prioridades. Por fim, não esqueça de tirar um tempo para si e relaxar. Um projeto de pesquisa é ótimo, mas também pode ser extremamente estressante. Busque um equilíbrio para conseguir ser bem-sucedido em sua pesquisa!

 

 

Veja os melhores trabalhos por área do conhecimento:

 

Ciências da Saúde

Melhor Trabalho

CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA E GENOTÍPICA DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES ISOLADAS DE PACIENTES IDOSOS HOSPITALIZADOS.

Larissa Shirley Gomes Lima

Orientador: Dr. Juliana Ladeira Garbaccio

Pontifícia Universidade Católica Universidade de Minas Gerais - Betim

 

Ciências Biológicas e Agrárias

Melhor Trabalho

ECOMORFOLOGIA DOS DISCOS ADESIVOS DE PERERECAS

Clarissa Souza

Orientador: Dr. Luciana Barreto Nascimento

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – Coração Eucarístico

 

Ciências Sociais Aplicadas

Melhor Trabalho

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E FAMILIAR NO BRASIL À LUZ DO SISTEMA INTERAMERICANO DE DIREITOS HUMANOS: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DO CASO 12.051 MARIA DA PENHA MAIA FERNANDES

Mariana Elis Campos Gomes

Orientador: Dr. Cintia Garabini Lages

Pontifícia Universidade Católica Universidade de Minas Gerais - Betim

 

 

 

 

 

Ciências humanas

Melhor Trabalho

ENFRENTANDO AS BARREIRAS SOCIAIS E IMPLODINDO OS LIMITES: A PRODUÇÃO ACADÊMICA DE MULHERES NEGRAS NA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU NO CAMPO DA EDUCAÇÃO

Gabriella Figueiredo do Carmo Moreira

Orientador: Dr. Lorene dos Santos

Pontifícia Universidade Católica Universidade de Minas Gerais - Coração Eucarístico

 

 

Direito

Melhor Trabalho

A PESSOA COM DEFICIÊNCIA NA ADVOCACIA BRASILEIRA: OS DESAFIOS ENFRENTADOS PELOS ADVOGADOS COM DEFICIÊNCIA, NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO, EM BELO HORIZONTE

Ester Moraes D'Avila

Ana Luisa de Figueiredo Guimarães

Orientador: Dr. Taisa Maria Macena de Lima

Pontifícia Universidade Católica Universidade de Minas Gerais - Coração Eucarístico

 

Ciências Exatas e da Terra

Melhor Trabalho

PREVISÃO DA IRRADIAÇÃO SOLAR UTILIZANDO ANÁLISE

DE IMAGENS

Rafael Amauri Diniz Augusto

Orientador: Dr. Cristiana Brasil Maia

Pontifícia Universidade Católica Universidade de Minas Gerais-Coração Eucarístico

 

Engenharias

Melhor Trabalho

MICROMODELAGEM DETALHADA DE PAREDES DE ALVENARIA ESTRUTURAL COM ABERTURAS EM INTERAÇÃO COM VIGA DE CONCRETO ARMADO USANDO ELEMENTOS FINITOS

Ana Laura Mendonça Almeida Magalhães

Orientador: Dr. Pedro Américo Almeida Magalhães Júnior

Pontifícia Universidade Católica Universidade de Minas Gerais - Coração Eucarístico

 

 

Leia também