Estamos Juntos

Newsletter da Quarentena

 Cinema em casa

​r.classen/Shutterstock.       

Com o aumento dos casos de contaminação pelo coronavírus, aumenta também a necessidade de reforçar o isolamento social. Por isso, trouxemos nesta edição uma dica e tanto para você se divertir nos fins de semana de forma segura. O professor Robertson Burgarelli Mayrink, coordenador do Curso de Cinema e Audiovisual, fez uma seleção de excelentes filmes, de gêneros variados, que estão disponíveis em plataformas de streaming para uma sessão de cinema em casa. Pegue o controle da TV, a pipoca, acomode-se no sofá e divirta-se com as dicas do mestre.

 

Blade Runner 2049

A sequência do clássico Blade Runner - O caçador de androides (1982) apresenta um futuro distópico, onde replicantes estão escondidos em recantos da terra e precisam ser eliminados.  K (Ryan Gosling), também um replicante, envereda por investigações e descobre segredos envolvendo os personagens do filme original. Destaque para a esplendorosa fotografia e a longa sequência final na chuva. Disponível em Netflix.

Lady Bird - A hora de voar

O público jovem, principalmente feminino, vai se identificar com as desventuras de Christine McPherson (Saoirse Ronan). A jovem está no último ano do ensino médio em uma pequena cidade do interior dos EUA e tudo que deseja é cursar a faculdade longe dali. Precisa vencer diversos obstáculos e superar os conflitos com a mãe para conseguir seu objetivo. Drama e humor se mesclam nessa típica narrativa de passagem da vida adolescente para a vida adulta. Disponível em Netflix.

Psicose

O clássico de Alfred Hitchcock é sessão obrigatória para todos que curtem o bom cinema. Com uma das maiores reviravoltas da história da sétima arte, o filme traz um dos personagens mais intrigantes, Norman Bates (que teve sua adolescência retratada na ótima série Bates Motel) e a antológica sequência do chuveiro. O final de arrepiar é também das grandes surpresas do cinema. Disponível em Netflix. 

 

Green Book - O guia

Green Book ganhou o Oscar de melhor filme e de melhor roteiro original em 2019. É o retrato do preconceito racial no sul dos EUA durante os anos 60. Tony Lip (Viggo Mortensen), truculento membro da comunidade italiana em Nova York, aceita emprego de motorista do músico negro Don Shirley (Mahershala Ali). Os dois partem para uma viagem pelo sul dos EUA, onde o músico fará uma série de apresentações. Baseado em fatos reais, a força da narrativa está no relacionamento entre motorista e músico à medida que se conhecem e se defrontam com o racismo estrutural e violento das cidades americanos. Destaque para a transformação dos protagonistas e o sensível final.  Disponível em Prime Vídeo.

O bebê de Rosemary

Um dos melhores filmes de terror de todos os tempos, a narrativa coloca o casal Rosemary (Mia Farrow) e Guy (John Cassavetes) em um prédio habitado por estranhos moradores. Rosemary engravida e tem alucinações constantes, verdadeiro terror psicológico que, passo a passo, desvenda os segredos dos vizinhos e de seu marido. Destaque para o final perturbador, dessas cenas de gelar o coração. Disponível em Prime Vídeo.

Nasce uma estrela

É a quarta versão da história. Jackson Mainer (Bradley Cooper) está no auge da fama no universo da música country. Ele conhece a aspirante a cantora Ally (Lady Gaga) e os dois se apaixonam. Enquanto Ally ascende ao estrelato, Jackson cai no ostracismo, se entregando ao álcool. O relacionamento apaixonado, porém corrosivo, encaminha a história para a tragédia. Destaque para as ótimas canções, a química entre o par de protagonistas e a impactante sequência da garagem. Disponível em Telecine Play.

A vida invisível

Esse melodrama baseado em romance de Eurídice Gusmão conta a sensível história de duas irmãs às voltas com a sociedade patriarcal brasileira. A trama começa em 1940: Eurídice (Carol Duarte) sonha em estudar música na Áustria, enquanto sua irmã Guida (Julia Stockler) tenta se libertar das amarras da família, da sociedade. Carol foge para a Europa e a separação das irmãs sela um destino marcado pelas imposições das estruturas familiares marcadas pela onipotência masculina. Destaque para a participação no final do filme de Fernanda Montenegro, que sempre domina a tela quando entra em cena. Disponível em Telecine Play.